A estimativa é de que os trabalhos comecem em outubro.
Divulgação/ Prefeitura de Santos
A estimativa é de que os trabalhos comecem em outubro.


Santos obteve a liberação de R$ 3.383.338,55 do Governo Federal, nesta semana, para intervenções em locais atingidos por deslizamentos do dia 2 de março, quando o Município decretou situação de emergência. Os recursos foram solicitados pela Prefeitura para obras emergenciais, logo após as fortes chuvas. A estimativa é de que os trabalhos comecem em outubro, quando deve ser concluída a licitação.

Paralelamente, desde março, os 7.200 habitantes do Morro São Bento (Censo IBGE 2010) estão sendo atendidos por obras emergenciais com prioridade para urgências consideradas ‘nível zero’, ou seja, que necessitavam começar o mais rápido possível. São R$ 14,8 milhões do Governo do Estado em serviços que deverão ser concluídos até o final de outubro.

NOVAS INTERVENÇÕES

Parte da verba liberada pelo governo federal será destinada à recuperação de um trecho da encosta entre a Rua Santa Mercedes e o Complexo Esportivo Marina Magalhães, no Morro São Bento. Em razão das fortes chuvas, o sistema de drenagem da Rua Santa Mercedes não suportou o grande volume de água, provocando escorregamento do solo na encosta.

O projeto foi apresentado ao Ministério de Desenvolvimento Regional, através da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Departamento de Articulação e Gestão) como uma das ações de recuperação de infraestrutura destruída por desastre na Cidade. Após a análise técnica,foi aprovada a utilização de R$ 2.166.736,89dos recursos para o serviço, que terá duração de seis meses.

ENGENHARIA

Para recuperar do talude, será necessária a reconstrução de proteção de encosta através de duas técnicas de engenharia: solo grampeado em área de mil m² e cortina atirantada em 310m². Também será reconstruído o sistema de drenagem no entorno das ruas Santa Marta e Santa Mercedes e Viela Florentino Diegues Gonçalves, no Morro São Bento.

“A técnica de solo grampeado consiste na escavação do solo, perfuração, instalação dos grampos (barras de aço), colocação de drenos e projeção de concreto, tudo para a estabilização da encosta”, diz a arquiteta Maria Valéria Affonso, da Secretaria de Infraestrutura e Edificações. “A cortina atirantada é um processo semelhante, com parede vertical e grampos que produzem cargas atuantes na contenção”.

SUB-PREFEITURA E ARENA SANTOS

A Defesa Civil informou que o restante dos recursos liberados, no total de R$ 1.216.601,66, serão utilizados para recuperação de equipamentos atingidos pelos deslizamentos, como a Subprefeitura da Zona da Orla e Intermediária (R$ 789.008,64), que teve o telhado e parede destruídos, e a Arena Santos (R$ 239.860,22), onde serão feitos reparos na cerca de contenção, muro e paredes.

A encosta do Monte Serrat passará por limpeza e remoção de blocos e outros R$ 187.732,80 serão destinados à ajuda humanitária por meio da entrega de colchões e cestas básicas. Ainda segundo a Defesa Civil, esta parte dos recursos será aplicada pelas secretarias de Serviços Públicos (Seserp) e Desenvolvimento Social (Seds).

    Veja Também

      Mostrar mais