As inscrições podem ser feitas pelo Instagram do Aquário: @uea.aquario
Francisco Arraes/ Prefeitura de Santos
As inscrições podem ser feitas pelo Instagram do Aquário: @uea.aquario


Redes, anzóis, linhas, potes e espinhéis fazem parte de cerca de 670 mil toneladas de petrechos encontrados anualmente perdidos pelos oceanos, constituindo a pesca fantasma, uma ameaça à vida marinha.

O tema, que já é alvo de várias ações realizadas pelo Aquário, volta a ser discutido no próximo dia 7, quando o parque realizará uma palestra virtual, às 15h, com o pesquisador científico do Instituto de Pesca, Luiz Miguel Casarini.

As inscrições para o encontro on-line podem ser feitas pelo  Instagram do Aquário , via direct. O interessado deve informar nome, RG, e-mail e curso ou faculdade, caso esteja estudando. O encontro, virtual devido às restrições ao coronavírus, será transmitido via plataforma Google Meet.

A palestra será direcionada a estudantes e interessados em conhecer mais sobre a pesca fantasma e a importância da implantação da logística reversa, ação que visa recuperar e transformar as redes e outros objetos encontrados no mar em produtos como cabides, crachás, pentes e outros.

Parque santista é pioneiro

Considerado pioneiro em todo o Brasil em atividades educativas e de combate à pesca fantasma, o Aquário de Santos integra o projeto Petrechos de Pesca Perdidos no Mar, que foi criado há 10 anos e é uma realização conjunta entre o Instituto de Pesca e a Fundação Florestal. Segundo Casarini, o equipamento e o Museu de Pesca são importantes referências na divulgação de ações sustentáveis relacionadas ao ambiente marinho.

O projeto nasceu no Parque Estadual Marinho da Laje de Santos, berçário da vida marinha criado em 1993 e considerado o primeiro e único parque marinho em unidades de conservação do Estado.

CONSCIÊNCIA E REAPROVEITAMENTO

O projeto Petrechos de Pesca Perdidos no Mar tem o objetivo de mapear e detectar esses objetos. “Começamos a lidar com o problema realizando campanhas de limpeza desses petrechos, que são principalmente de pesca amadora. Depois, passamos a pesquisar o que poderia ser feito com esse material encontrado, que basicamente é de plástico”, explica o pesquisador Casarini.

O trabalho de combate à pesca fantasma também conta com o auxílio das operadoras de mergulho e de mergulhadores voluntários como Alex Ribeiro, que ajudam a retirar os petrechos do mar. E, de acordo com Casarini, o Instituto de Pesca já realizou várias pesquisas de desenvolvimento e inovação apontando a viabilidade de reciclagem de todo o material encontrado.

Uma das propostas do projeto é envolver recicladoras e cooperativas para trabalhar no desmonte das redes encontradas e disponibilizá-las para indústrias. A Escola de Ensino Superior de Tecnologia em Polímero do Serviço Nacional da Indústria (Senai) de São Bernardo do Campo também tem pesquisa nesse sentido, desenvolvendo cabides, crachás e pentes a partir da reciclagem dos petrechos.

“Mas a melhor arma é a prevenção, com adoção das melhores práticas. Identificar e sinalizar os petrechos onde a pesca é permitida e não pescar em local proibido”, diz Casarini.

PESCA ILEGAL

A pesca em local proibido é crime ambiental sujeito a multa de R$ 1.400, acrescidos de R$ 40 por quilo de pescado, além da apreensão dos petrechos e da embarcação. Segundo Edson Montilha, gerente da Fundação Florestal, desde 2019, mais de 40 autuações foram realizadas tanto na área do Parque Estadual Marinho Laje de Santos e como na região chamada Zona de Amortecimento no Setor Itaguaçu da Área de Proteção Ambiental Marinha Litoral Centro (APAMLC).

DENÚNCIAS

Denúncias sobre pesca ilegal podem ser feitas à Fundação Florestal pelo (13)3567-1767, à Coordenadoria de Fiscalização e Biodiversidade, ligada à Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente, pelo telefone (13) 3269-1200, ou ainda à Polícia Ambiental, pelo telefone (13) 3348-4780 ou pelo aplicativo Denúncia Ambiente.

    Veja Também

      Mostrar mais