Mobilidade urbana: Governador João Doria tira foto com trabalhadores de obra do VLT
Reprodução/Instagram
Antes da cerimônia oficial, realizada no Centro de Santos, o governador tirou uma selfie com os funcionários que farão parte da obra.


O governador de São Paulo João Doria (PSDB) autorizou, na manhã desta quinta-feira (24), o início das obras da segunda fase do Veículo Leve Sobre Trilhos ( VLT ) da Baixada Santista . Antes da cerimônia oficial, realizada no Centro de Santos , o governador tirou uma selfie com os funcionários que farão parte da obra. Novo trecho vai contribuir para melhor fluidez da mobilidade urbana da região.

O trecho da nova fase terá 14 estações e cerca de oito quilômetros ligando a Avenida Conselheiro Nébias ao Terminal do Valongo, no centro da cidade. O obra tem previsão de 30 meses para a conclusão e investimento de R$ 217,7 milhões. A previsão da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU) é que o VLT transporte até 35 mil pessoas por dia neste novo trecho.

“O VLT , já na obra, vai modificar o perfil desta região. São intervenções urbanizadoras e recuperadoras, sem prejuízo dos valores históricos que serão preservados na área central de Santos. Ao ser entregue, o VLT vai revitalizar a região central da cidade e unir vários pontos turísticos, de serviço e de trabalho. Essa é uma das maiores obras de todo o litoral de São Paulo”, destacou o governador João Doria .

Na foto publicada no perfil oficial no Instagram, o governador escreveu. " Ao lado dos trabalhadores que vão iniciar as obras da segunda etapa do VLT aqui em Santos . Importante entrega para melhorar a mobilidade na Baixada Santista , oferecendo transporte público mais rápido, confortável e sustentável aos moradores da região".

Leia também: Viaduto Piratininga é inaugurado em Santos com sete meses de antecedência


Estiveram presentes no evento os secretários de Logística e Transportes João Octaviano Machado e de Desenvolvimento Regional Marco Vinholi, o secretário interino dos Transportes Metropolitanos Paulo Galli, o diretor-presidente da EMTU Marco Antonio Assalve, o diretor-geral da Artesp Milton Persoli, o superintendente da Sabesp Raul Christiano e o prefeito de Santos Paulo Alexandre Barbosa.



Construtora responsável



Esta fase de ampliação do meio de transporte público regional será feita pela construtora Queiroz Galvão S.A , vencedora do processo seletivo. O valor estimado inicialmente para obra era de R$ 300 milhões. A empresa foi a responsável pelo trecho que já está em funcionamento na cidade e faz ligação com o município de São Vicente .

A Licença de Instalação (LI), concedida pela Companhia Ambiental do Estado ( Cetesb ), foi publicada na última sexta-feira (18) e tem prazo de validade de seis anos. A LI era a última etapa legal antes da emissão da Ordem de Início de Obras pela EMTU .



Terceira fase do VLT

Os estudos para implantação do terceiro trecho do modal, que será estendido até a Área Continental de São Vicente , já estão sendo realizados pela Secretaria Estadual de Logística e Transportes. A previsão do governador é que eles sejam entregues ainda este ano . As outras etapas do projeto, como por exemplo a viabilização do investimento, seguirá o planejamento após a conclusão dos estudos.



VLT na Baixada Santista

A operação do VLT da Baixada Santista começou em abril de 2015. São 11,5 quilômetros ligando o Terminal Barreiros, em São Vicente, à Estação Porto, em Santos. A ligação tem, ao todo, 15 estações, ciclovia e paraciclos. No Terminal Barreiros, os usuários têm à disposição um bicicletário com capacidade para 80 bicicletas. Além de moderno e não poluente, o VLT traz como benefícios ao passageiro da Região Metropolitana da Baixada Santista a redução do tempo gasto nas viagens e da poluição sonora.

O usuário do transporte metropolitano da Baixada Santista desde 2016 conta também com o benefício da Integração com algumas linhas municipais de Santos e linhas metropolitanas da região. O sistema funciona da seguinte maneira: ao embarcar no ônibus metropolitano será debitada no cartão do usuário a tarifa da linha utilizada, e na integração com o VLT não será debitado valor adicional. O débito vai variar de acordo com a tarifa da linha a ser utilizada.

João Doria, Paulo Alexandre Barbosa e trabalhadores do VLT
Divulgação/Governo do Estado de SP
João Doria, Paulo Alexandre Barbosa e trabalhadores do VLT



    Veja Também

      Mostrar mais